Fale Conosco pelo MSN ou Skype

 17 DE OUTUBRO DE 2017

Email
HOME
QUEM SOMOS
Capacitação
Consultoria
PESQUISAS
NOTÍCIAS
Editorial
Destaques
Artigos / Entrevistas
Logística
Trânsito
Multimodalidade
Empresas
Comex - Mundo
Economia
Mercosul / Cone Sul
Tecnologia
Política
Legislação
Eventos e Cursos
Agência Intelog
ASSINE GRÁTIS
TODAS EDIÇÕES
INTELOG WIDGET
INTELOG TICKER
RSS
Entre em Contato
Tornar página inicial
Adicionar aos favoritos
Mapa do Portal
Recomendar
Imprimir esta página
Translate This Page

  Tempo



 

  Ferramentas

Calcule o tempo e as rotas para sua viagem
Show My Street - Passeio virtual pelas ruas do mundo
Flightradar 24 - Tráfego Aéreo em Tempo Real
Dados e Informações de Todos os Países do Mundo - IBGE
Veja a hora em tempo real no mundo todo - TimeTicker.com
Leia jornais de todo o planeta - Newseum.org

  16/10/2017   Aéreas pedem ajuda de Temer na aprovação de acordo que amplia voos com os EUA - Representantes das empresas de aviação American Airlines ...     16/10/2017   BR-116 pode ficar sem recursos para 2018 - Veja no link do título a matéria na integra:...     16/10/2017   Empresas ainda acreditam que o custo com o transporte é um grande vilão - MOVIMAT abre as portas no São Paulo Expo e apresenta soluções a...     16/10/2017   CART encerra operação especial de feriado - Concessionária realizou 907 serviços aos usuários durante o período; tráfego de veículos flui...     16/10/2017   Drones transportando sangue e medicamentos entre hospitais - Muito interessante este vídeo divulgado no portal Futuro Exponencial.     16/10/2017   Axis apresenta tecnologia de radar IP - A tecnologia detecta objetos em movimento mesmo em total escuridão ou sob chuva intensa.     16/10/2017   Multilog recebe materiais do Cirque du Soleil - Focada no sucesso da operação, a equipe Multilog montou um planejamento estratégico que r...     16/10/2017   RGE finaliza mais uma etapa de grande plano de aumento da capacidade de energia em Passo Fundo - Valor total do investimento passa de R$ ...     16/10/2017   Mix Telematics lança soluções de telemetria para reduzir custos e aumentar eficiência de frotas durante a Fenatran 2017 - Entre os dias 1...     16/10/2017   Linha 4 Amarela celebra 6 anos de operação - Em outubro, a ViaQuatro, concessionária responsável pela operação e manutenção da Linha 4-Am...  
Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Clique para ampliar

16/07/2017

Reforma no setor elétrico deve ajudar grandes comercializadoras de energia, diz CCEE

Economia

Translate to EnglishTraducir al EspañolÜbersetzung der Deutschen意大利語翻譯Traduit en FrançaisTraduci in Italiano

Nota

?

0 votos

A reforma nas regras do setor elétrico proposta pelo governo federal deve impulsionar atividades de grandes comercializadoras de energia voltadas a representar empresas de menor porte no mercado livre de eletricidade, disse à Reuters uma autoridade da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE).

A operação dessas comercializadoras, conhecidas como varejistas, foi regulamentada em 2015, mas desde então apenas seis empresas se habilitaram a atuar nesse mercado –um grupo que inclui os braços de comercialização das gigantes elétricas CPFL, Copel, EDP Energias do Brasil e Elektro, da Iberdrola.

Agora, as propostas de revisão da regulamentação preveem que pequenos clientes que queiram deixar de ser atendidos no mercado regulado, por distribuidoras, deverão obrigatoriamente ser representados por uma comercializadora para negociar eletricidade no mercado livre a partir de 2018.

Hoje esses clientes, além do mercado regulado, podem acessar o mercado livre sem intermediários, desde que comprem energia renovável.

“Isso vai emplacar o varejista, era o que estava faltando para emplacar”, disse o presidente do Conselho de Administração da CCEE, Rui Altieri.

A ideia do mecanismo é separar o mercado de atacado, onde atuam grandes indústrias e geradoras de energia, por exemplo, do varejo, composto por clientes menores, como shoppings e pequenas fábricas.

Além das comercializadoras ligadas a grandes elétricas, estão habilitadas a operar no varejista as independentes Comerc Power e Mega Watt.

A fila para entrar no mercado, que exige aprovação pela CCEE, inclui ainda outras grandes empresas, como a canadense Brookfield e a ArcelorMittal, de acordo com a CCEE.

Para o presidente da comercializadora CPFL Brasil, Daniel Marrocos, as empresas já habilitadas como varejistas vão largar na frente quando as novas regras estiverem em vigor.

“Sem dúvida isso vai ser um diferencial… nosso produto já está na praça, inclusive, já estamos ofertando hoje”, disse.

Mas a tendência com as novas regras é que os varejistas ganhem força e quase todas grandes empresas de energia entrem no setor, principalmente os grupos que controlam distribuidoras de eletricidade, que cada vez mais perdem clientes para o mercado livre, disse o presidente da comercializadora Copel Energia, Franklin Kelly Miguel.

“Acredito que todos grupos de elétricas que atuam em distribuição vão acabar tendo que criar sua comercializadora varejista… nós estamos bastante animados com esse mercado”, disse.

O mercado livre de eletricidade responde atualmente por cerca de 30 por cento do consumo no Brasil, ou quase 17,6 mil megawatts médios.

Já o nicho dedicado aos clientes livres de menor porte, os chamados “consumidores especiais”, que precisarão dos varejistas, soma consumo de quase 4.000 megawatts médios.

Os varejistas habilitados a operar representam clientes que somam pouco menos de 7 megawatts atualmente, disse a CCEE.

InadimplêNcia é Risco

O principal fator que impediu uma rápida expansão da comercialização de eletricidade por varejistas até o momento foi a preocupação de investidores com a inadimplência dos clientes, disseram os executivos do setor à Reuters.

Marrocos, da CPFL Brasil, afirmou as regras atribuem um risco elevado à operação dos varejistas, uma vez que eles têm que garantir os pagamentos dos clientes, que muitas vezes ficam inadimplentes mas conseguem se isentar das obrigações com ações na Justiça.

“Muitas vezes uma liminar obriga o comercializador a fornecer energia, mesmo com o cliente inadimplente. Está em discussão com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) como mitigar esse problema”, disse.

Enquanto isso não acontece, as comercializadoras mitigam os riscos por meio de uma criteriosa análise de crédito dos consumidores, limitando o avanço do mercado.

Outras propostas para a reforma da regulamentação do setor elétrico apresentadas pelo governo preveem ainda redução gradual das exigências para que um consumidor se torne livre a partir de 2020, com o objetivo de abrir esse mercado para todos clientes de alta e média tensão até 2028.

Por outro lado, as distribuidoras de energia não deverão mais sofrer punição financeira por eventual excesso de energia contratada que decorra de migrações de clientes para o mercado livre após a reforma.

Segundo Altieri, da CCEE, a medida possibilitará uma expansão do mercado livre com menores efeitos colaterais negativos sobre as distribuidoras.

Fonte: Reuters

 

Por REUTERS

 

Qual a sua avaliação?

0 Comentários - Faça o seu comentário

Voltar

Compartilhar

Clique para ampliar

Leia Também

PRODUÇÃO DO CAMPO DE TUBARÃO MARTELO SOFRE NOVA QUEDA

Passagens intermunicipais ficam mais caras a partir de segunda-feira

Viagens de negócio estimulam locação de veículos

Petrobras aumenta preço da gasolina nas refinarias em 0,8% a partir de sábado

Preço do gás de cozinha volta a subir e população sente no bolso

Telebras adia para o próximo dia 31 leilão de satélite geoestacionário

Aéreas pedem ajuda de Temer na aprovação de acordo que amplia voos com os EUA

BR-116 pode ficar sem recursos para 2018

Empresas ainda acreditam que o custo com o transporte é um grande vilão

CART encerra operação especial de feriado

Mais...

 

Este site possui suporte ao formato RSS



Notícias em Tempo Real

   

Google
Pesquisa personalizada

       

 Powered by CIS Manager - Desenvolvido por Construtiva

Intelog - Inteligência em Gestão Logística